Armindo Araújo mostra dotes impressionantes... no simulador

person Criado por: Sports&You list Em: Notícias Data: comment Comentário: 0 favorite Visualizações: 1629

O presidente do ACP, Carlos Barbosa, salientou o regresso a territórios que estavam afastados da prova desde 2001 e vincou a expectativa da organização de este ano "aumentar o retorno" económico de 138 milhões de euros gerados na anterior edição, apesar de considerar "excecional" a magnitude dos números do ano passado.

O Rali de Portugal de 2019 vai regressar à zona Centro do país, com a partida em Coimbra e passagens por Lousã, Góis e Arganil, anunciou hoje o organizador Automóvel Club de Portugal (ACP).

O presidente do ACP, Carlos Barbosa, salientou o regresso a territórios que estavam afastados da prova desde 2001 e vincou a expectativa da organização de este ano "aumentar o retorno" económico de 138 milhões de euros gerados na anterior edição, apesar de considerar "excecional" a magnitude dos números do ano passado.

"Este ano o Rali vai ser excecional, pois vamos, finalmente, à zona Centro, que era uma grande ambição do Rali de Portugal há já uma série de anos. Com a saída de três câmaras do Norte -- Caminha, Viana do Castelo e Ponte de Lima --, pudemos fazer o troço de Góis, Lousã e Arganil. Estamos muito contentes por poder voltar ao Centro e nos aproximarmos do velho figurino do Rali de Portugal", afirmou.

O programa do Rali conta com um percurso de 1.463,55 quilómetros, dos quais 311,59 cronometrados ao longo de 20 especiais de classificação. O 'shakedown' tem lugar a 30 de maio no circuito de Baltar, em Paredes, seguindo-se a partida da porta férrea da Universidade de Coimbra.

Para dia 31 estão previstas passagens por Coimbra, Lousã, Góis, Arganil e Lousada. No dia seguinte (01), o Rali está já plenamente instalado no Norte, com especiais em Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto, Amarante e Vila Nova de Gaia. Por fim, a 02 de junho, Montim, Fafe e Luílhas acolhem as derradeiras etapas, antes da consagração dos vencedores em Matosinhos.

"O Rali de Portugal tem sido uma etapa essencial do mundial de ralis e é a mais vista no campeonato do mundo. É sobretudo pela paixão à volta do Rali que o ACP trabalha para levar aos fãs mais espetáculo e mais emoções", frisou o líder da entidade organizadora, sem deixar de apontar "as dificuldades para obter apoios públicos".

Entre as novidades agendadas para esta edição do Rali preveem-se também zonas de assistência só para pneus e zonas de assistência para outras reparações e a imposição de os carros não poderem ser reparados no final do Rali, sendo selados e seguindo no estado em que estão para a prova seguinte, o Rali de Itália.

Por fim, Carlos Barbosa lançou um apelo aos fãs, pedindo um comportamento exemplar em defesa da continuidade do Mundial de Ralis em solo português.

"É fundamental que o comportamento do público seja rigoroso, porque não faz sentido amanhã o presidente da Comissão do Campeonato do Mundo de Rali ser português e ser ele próprio a tirar o Rali de Portugal por razões de segurança", afirmou.

A 53ª edição do Rali de Portugal, sétima etapa do Campeonato do Mundo de Ralis (WRC), decorre entre 30 de maio e 02 de junho.

Comentários

Nenhum comentário neste momento!

Deixe o seu comentário

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

New Account Register

Already have an account?
Log in instead ou Reset password